fbpx

vamos conversar?

O Que É Lean Change Management?

Tempo de leitura: 10 minutos

Algumas pessoas gostam de pensar na mudança como algo linear. Nesse contexto, a ideia de planejar, executar e concluir um projeto provoca uma sensação ilusória de que temos tudo sob controle. Porém, sabemos que na prática mudar é sinônimo de incertezas. Por isso, a Lean Change Management (LCM) pode ser uma boa estratégia para abrir espaço para a mudança, por meio de uma abordagem segura, eficaz e inovadora. 

Uma das poucas certezas que temos na vida é a de que o mundo está em constante transformação. Nos negócios não é diferente, e facilitar o processo de mudança pode ser um desafio para empresas e startups. Assim como a Transformação Digital, a Gestão de Mudanças passou a ser um requisito obrigatório para quem pretende manter-se vivo no mercado atual – constituído por inúmeros dados, estímulos e ofertas. Entretanto, a Gestão de Mudança tradicional, difundida pelo Project Management Institute (PMI) parece não atender mais às necessidades de um mundo VUCA (Volátil, Incerto, Complexo e Ambíguo).  

Validar o Processo de Mudança

A Lean Change Management é um modelo de gestão de mudança enxuta desenvolvido por Jason Little. A abordagem propõe gerenciar a mudança de forma ágil, com ferramentas, ideias modernas e skills de múltiplas áreas de atuação. Para o autor, a vida é um grande experimento e o feedback é um importante aliado para impulsionar avanços organizacionais. 

De acordo com Little, quando ele escreveu o livro Lean Change Management: Innovative practices for managing organizational change, a intenção original era retratar os métodos de trabalho na organização na qual atuava como Agile Coach, guiando um departamento de 300 pessoas na adoção do Método Ágil. Entretanto, ao longo desse processo, o autor descobriu que existia muita complexidade nas empresas contemporâneas e, por isso, mudar com o auxílio de ferramentas simples e lineares não era algo possível.  

Nessa época, em 2011, surgiu a abordagem Lean Startup, criada por Eric Ries, que revolucionou a maneira como novos produtos são criados. Influenciado por esse livro, Little começou a questionar-se se não era possível aplicar esse mesmo conceito também para repensar a validação do processo de mudança. Pensando nisso, e em como facilitar essa interação, em 2014 criou a abordagem Lean Change Management. 

Como muitos de nós querem promover mudanças que outros não querem, o modelo precisava ser adaptável a diferentes contextos, afinal cada processo de mudança é único. Sendo assim, para elaborar a visão estratégica, a abordagem sugere que seja respondido o Strategic Change Canvas. Nele, é possível indicar a visão e a importância da mudança que deve ser feita, além de métricas de sucesso e progresso – e, claro, os impactos que a alteração irá causar nas pessoas, departamentos e processos. 

Lean Change Management

Strategic Change Canvas. Fonte: https://leanchange.org/

5 Dimensões Universais da Mudança

Para nos guiar durante essa jornada, Little definiu cinco dimensões que nos ajudam a impulsionar a mudança: 

  • Causa e Propósito: o que é urgente para você, pode não ser para o outro, e essa situação pode gerar estresse entre os membros do time. Entretanto, quando nos unimos em prol de um propósito coletivo é mais provável que avancemos rumo a uma solução de forma leve e colaborativa.  
  • Diálogo Significativo: a comunicação é muito importante no processo de mudança. Quando trabalhamos com mudanças complexas, é necessário viabilizar um ambiente propício ao diálogo, onde práticas oriundas da Lean Change Management e do Manifesto Ágil são importantes ferramentas.   
  • Resposta à Mudança: resistir à mudança e à inovação pode ser algo comum em algumas empresas, principalmente nas mais tradicionais, e essa é uma das causas pelas quais o Método Ágil pode falhar durante seu processo de adoção. Se as pessoas estão muito resistentes à mudança isso também pode significar que elas não se sentem convidadas a participar desse momento de transformação da empresa. Lembre-se que ser inclusivo e diverso é crucial.  
  • Cocriação: para fazer com que todos acreditem e aceitem a mudança, é preciso empoderar as pessoas. A Cultura de Colaboração é essencial para promover o entendimento e o alinhamento de todos. Para isso, é preciso abrir espaço para as pessoas cocriarem juntas.  
  • Experimentação: é necessário executar experimentos no lugar de tarefas. Não é possível prever o que irá acontecer com mudanças complexas, por isso, confiar nos ciclos de experimentação e feedback é tão importante. Somente assim consegue-se modificar e adaptar planos enquanto se avança.  

Lean Change Management X Gestão Tradicional

Mas, afinal, quais são as principais diferenças entre a Lean Change Management e a Gestão tradicional de Mudanças? Sabemos que o nosso cérebro não gerencia a incerteza muito bem, visto que o ser humano prefere saber com antecedência onde está e para onde vai, e isso acontece em todos os aspectos de nossas vidas. Sendo assim, podemos dizer que a principal diferença entre as duas abordagens é justamente o fato de que uma delas busca por certezas, enquanto a outra prioriza a experimentação e o aprendizado rápido.  

Na Gestão tradicional, é habitual iniciar um projeto, convencer os stakeholders a aceitarem a mudança e, em seguida, começar a execução do plano. Nesse modelo, o cronograma de trabalho é longo e o consultor é considerado o ‘dono da verdade’. Já na Lean Change Management o processo de alinhamento é contínuo, visto que ninguém estará alinhado à mudança ao mesmo tempo e na mesma intensidade. Nesse modelo existe a compreensão de que mudanças são complexas e, por isso, é importante abrir espaço para o aprendizado. Além disso, o trabalho é desenvolvido em ciclos curtos, o que possibilita evoluir aos poucos. 

Para Karina Hartmann, Head of Product and Innovation da SoftDesign, ao aplicar os conceitos da Lean Change Management no serviço de Consultoria, identificamos alguns ganhos e vantagens como, por exemplo: 

  • Mudanças são mais cocriadas: os consultores não agem como alguém que ‘sabe-tudo’, e que irá dizer o que é certo ao adotar um método. Ao invés disso, essas pessoas agem como facilitadores e mentores; 
  • Mudanças são mais realistas: os processos de adoção de novos métodos muitas vezes são ignorados pelas pessoas colaboradoras, e acabam morrendo depois de um determinado tempo. Porém, quando o processo é colaborativo e interativo, as mudanças são mais reais e permanentes. 

LCM na SoftDesign

Na SoftDesign, a Lean Change Management é uma inspiração para trabalhar mudanças, visto que está muito alinhada com a forma como pensamos. “Nos inspiramos na LCM principalmente em nossos serviços de Consultoria, executados de forma iterativa, por meio de ciclos de experimentação de mudanças, aprendizados e evolução. Dessa forma, não trabalhamos em projetos gigantescos, pois conseguimos mostrar resultado rápido (Quick Wins), visto que cada ciclo já está construindo uma pequena mudança”, ressalta Karina. 

De acordo com a Head of Product and Innovation, essa forma de mudar deve ser iterativa e incremental, ou seja, precisa aplicar todo o conceito da agilidade também para as mudanças: trabalhar em ciclos, obter feedback rápido, aprender e incrementar. Além disso, também deve respeitar a cultura e o ambiente existente. “Nós sempre achamos estranho quando consultores querem ‘implantar’ um método. A própria ideia de implantar algo me parece ultrapassada, é como se estivéssemos falando de máquinas”.   

Acreditamos que cultura e interação humana são fatores complexos e determinantes para alcançar o sucesso. “Não podemos estabelecer um processo ou método sem contexto. Antes, precisamos construir e desenvolver ele dentro do nosso ambiente, considerando as restrições e a realidade existente no cliente”, destaca Karina. 

Mudar é Nossa Única Certeza

Quando nos focamos em uma jornada que prioriza início e fim, acabamos nos esquecendo do quanto o meio pode ser desbravador para o projeto em desenvolvimento, por mais que isso possa significar não ir ao encontro de um resultado pré-estabelecido.  

Sabemos que o medo de falhar é um dos obstáculos a serem ultrapassados durante o processo de mudança, por isso, você pode contar com o nosso time multidisciplinar para testar ideias e experimentar de um modo diferente, por meio da Lean Change Management e dos Métodos Ágeis. Preencha o formulário abaixo para que juntos possamos promover a mudança que irá impulsionar o seu negócio.


Sugestões ou críticas para nosso blog? Entre em contato pelo endereço [email protected]

Foto do autor

Pâmela Seyffert

Marketing & Communication na SoftDesign, Jornalista (UCPEL) com especialização em Gestão Empresarial (UNISINOS) e mestrado em Comunicação Estratégica (UNL). Especialista em comunicação e criação de conteúdo.

Deseja receber novidades sobre

DESIGN, AGILIDADE e TECNOLOGIA?

SoftDesign