Dicionário de Transformação Digital

Tempo de leitura: 5 minutos

Ela tornou-se sinônimo de sobrevivência para a maioria das empresas, no mundo inteiro. Mas o assunto do momento, que está na ponta da língua de especialistas e empreendedores, não é tão simples quanto parece. Afinal, será que para transformar-se digitalmente basta adotar a tecnologia da moda? O que isso tem a ver com inovação? E, o que é a digitização de uma empresa? Neste SoftDictionary, iremos esclarecer esses e outros termos relacionados à transformação digital.

Digitalização

Antes de mais nada, é preciso esclarecer que a digitalização é a transição do analógico para o digital. Ela pode ser usada para transformar os dados físicos de empresas, fazendo-as recriá-los para armazená-los em dispositivos eletrônicos. Sons, imagens e textos passam a ser representados por dígitos binários (0/1), os famosos bits.

Além de facilitar o armazenamento, a digitalização também favorece a segurança da informação, visto que os dados passam a existir somente em sua versão digital. O escaneamento de um documento em papel é um exemplo de digitalização.

Digitização

Já a digitização é a transformação de um negócio em digital. Ela é ampla e abrangente, e envolve mudanças realizadas na organização por meio de tecnologias. Ou seja, a digitização engloba alterações no modelo de negócios e no fluxo de valor de uma empresa, que passa a implementar novos sistemas e ferramentas para tornar seus processos mais inteligentes.

Sistemas ou ferramentas de CRM (Customer Relationship Manager) são uma forma de digitização do processo de vendas, por exemplo. Elas retiram todas as informações de relacionamento com o cliente do ‘papel’, para agrupá-las em um mesmo local que permite a melhor visualização e tomada de decisão.

Transformação Digital

A transformação digital pode utilizar-se tanto da digitalização quando da digitização, porém ela compreende a integração de tecnologia em todas as áreas de um negócio, com o objetivo de alterar não somente o modus operandi do mesmo, mas também a entrega de valor aos clientes. A transformação digital envolve ainda mudanças culturais que requerem que as pessoas desafiem continuamente o status quo da empresa, tenham liberdade para experimentar e estejam confortáveis com eventuais falhas.

Para transformar-se digitalmente é preciso, portanto, desenvolver a capacidade de absorver e entregar o potencial disponibilizado pelas novas tecnologias, com o objetivo de usá-las para aumentar a produtividade e a lucratividade do negócio. Ou seja, os processos passam a ser executados por meio de tecnologias para melhorar desempenho, resultados e satisfação do cliente.

Inovação

De acordo com Tidd e Bessant (2009), inovação é o processo de transformar oportunidades em novas ideias e colocá-las largamente em uso prático, capturando valor a partir delas. Inovação pode ser em produto, processo, marketing ou organização: isso quer dizer que ela abrange não unicamente o ‘o que fazer’, mas também o ‘como fazer’.

Nesse sentido, a transformação digital envolve a inovação quando relacionada não a criar algo novo, mas a propor novas formas de executar ações já conhecidas, por meio da tecnologia. Formas mais descomplicadas, desburocratizadas, rápidas e fáceis que melhorem a experiência de colaboradores, parceiros, clientes e fornecedores.

H2H

No centro da transformação digital está, além da tecnologia, o conceito de H2H, Human to Human. Fala-se na substituição do B2C e do B2B pelo H2H, pois independente de trabalharmos com pessoas físicas ou jurídicas, estamos sempre lidando, na linha de frente, com pessoas que possuem sentimentos e emoções.

O H2H coloca o usuário/colaborador/cliente como cerne das estratégias empresariais e preza pela humanização nas relações. Ele leva em consideração a comunicação como via de mão dupla, em que a empresa não somente fornece informações, como também as recebe. Aqui surge a importância do feedback do cliente – prática já efetivada dentro dos métodos ágeis de desenvolvimento de software.

Ademais, o UX Design também comprova seu papel fundamental, pois propõe, além da criação de interfaces amigáveis, o estudo das jornadas de usuários a fim de compreendê-los ainda melhor. Desta forma, é possível criar aplicativos, plataformas e sistemas que promovam boas experiências de uso e fidelizem clientes.

*Quer saber mais sobre transformação digital? Se você quiser saber sobre fatores originários, pode ler esse texto aqui. Agora, se você quiser saber como a agilidade pode ajudar na transformação digital da sua empresa, o mais indicado é este aqui.

Sugestões ou críticas para nosso blog? Entre em contato pelo endereço mkt@softdesign.com.br.